Este site utiliza cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Saiba mais

Futebol: Covilhã sem distrital preocupa Manuel Candeias

Artur Jorge - 12/08/2017 - 21:00

Manuel Candeias ainda acredita num volte-face no processo da Estação. E traz a “jogo” a Câmara da Covilhã, a quem já atribuiu eventos importantes.

Manuel Candeias lamenta que o futebol distrital possa ter campeonato sem equipas do concelho da Covilhã

O presidente da Associação de Futebol de Castelo Branco (AFCB) ainda acredita num volte-face na anunciada desistência da AD Estação de participação na categoria sénior. Manuel Candeias considera que no pior cenário ficaria a perder o futebol distrital, mas a autarquia covilhanense também não sairia bem na fotografia.

“O concelho da Covilhã já foi dos mais representativos no futebol distrital. Estar na iminência de não ter ninguém na próxima edição do campeonato, não deve preocupar só os agentes desportivos”, considera o líder do organismo associativo. Manuel Candeias quer crer que ainda há tempo para inverter o cenário e trazer para o quadro competitivo a ADE. “A Estação luta com dificuldades financeiras para poder suportar a participação de uma equipa sénior. Mas estou convicto que a Câmara da Covilhã, que se comprometeu a ajudar, o vá ainda fazer. Tenho essa autarquia como pessoa de bem e que não ficará associada ao fim do futebol distrital no seu concelho por faltar ao prometido”.

Manuel Candeias recorda que o organismo que dirige tem colocado na Covilhã eventos importantes e com impacto na economia local. Por isso tem dificuldades em aceitar o que se está a passar. “Não será bom para o nosso futebol, mas a Câmara também não ficará bem”, face à possibilidade desse registo histórico de ausência de clubes do concelho no campeonato distrital.

O líder da AFCB não perde a esperança de, pelo menos, “manter onze equipas no campeonato” e por isso deu via verde ao alargamento do prazo de inscrição. Refere que o emagrecimento dos quadros competitivos seniores é “tendência a nível nacional”, em contraponto com o número crescente de participantes nas categorias juvenis. Mas mantém a expetativa: “acredito que no mínimo se atinjam as 11 equipas das últimas épocas e há ainda a hipótese de uma 12.ª. Estou muito empenhado nisso”, confessou ao nosso jornal.

COMENTÁRIOS