Este site utiliza cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Saiba mais

Lousa: Bandeiras das Almas reunidas em exposição

Cláudia Baltazar - 09/03/2018 - 22:00

Depois do sucesso da mostra de Meninos Jesus, segue-se outra, de outro ícone religioso, as bandeiras das almas.

A figura de São Miguel é um ícone presente nestas bandeiras

Em tempo de Quaresma e das inúmeras manifestações de religiosidade popular ligadas a este período que antecede a Páscoa, a Associação Lousarte e a Paróquia da Lousa inauguram sábado, dia 10 de março, a exposição dedicada às Bandeiras das Almas com o tema “O céu visto da terra”, cuja inauguração está agendada para as 18H30 desse dia, com a presença do bispo da Diocese de Portalegre e Castelo Branco, D. Antonino Dias, e do presidente da Câmara de Castelo Branco, Luís Correia.

Depois da exposição inédita em 2016, dedicada à figuração de Jesus Menino, que reuniu 22 imagens das 10 paróquias a cargo dos párocos in solidum António Castanheira, Ilídio Mendonça e João Avelino, a época quaresmal ditou uma nova mostra da iconografia religiosa e popular, desta vez representada em 12 Bandeiras das Almas das paróquias de Alcains, Escalos de Baixo, Escalos de Cima, Lardosa, Lousa, Mata, Póvoa de Rio de Moinhos, Sobral do Campo e Tinalhas, que manifestam de forma expressiva o profundo sentir do povo cristão com as Almas do Purgatório.

Destacam-se pela sua antiguidade, simbolismo e estado de conservação as bandeiras de Escalos de Cima, Lousa, Lardosa e Sobral do Campo.

A Bandeira referente à Paróquia de Alcains surge como um arranjo de fragmentos recuperados de um incêndio que deflagrou em tempos.

O padre António Castanheira apresenta esta exposição "como um enriquecimento cultural que visa dar a conhecer este património religioso, a sair de uso, tantas vezes desvalorizado pela habituação, rotina da visualização. E uma mostra coletiva torna visível a dimensão do singular, provoca reforço de apreço pelo bem exposto e leva a melhor cuidar e preservar o mesmo”.

Lembra ainda que é “uma boa proposta à leitura destes bens culturais que evocam o sofrimento que entra pelos olhos e que o povo atribuiu o nome de Bandeiras das Almas, habitualmente levadas nas procissões fúnebres e que encerram uma leitura da vida do crente”.

As paróquias de Escalos de Baixo e Sobral do Campo ainda transportam as bandeiras das almas nos funerais com regularidade.

Para o padre António Castanheira as bandeiras são uma mensagem de esperança e confiança.

“Para quem leva os irmãos a sepultar a mensagem é a de que os sofrimentos da vida não são sem sentido e que não acaba tudo na tumba. O destino é a glória representada por Cristo Glorioso, pela virgem Maria, pelos anjos, particularmente pelo Arcanjo Miguel, pela representação de bandeiras brancas (transcendência), pelos nimbos (clarões rodeados de nuvens) ou auréolas (círculos habitualmente ovais rodeando figuras e símbolos); ou ainda o triangulo equilátero (representação da Santíssima Trindade)".

Nas 12 bandeiras que vão ficar expostas, em que a maioria data do século XIX e início do século XX, surgem elementos figurativos constantes, repletos de significado como "o corpo de Cristo inanimado ao pé da cruz, as chamas do purgatório, aparecendo como figura central o Arcanjo São Miguel a dar ordem aos anjos para que retirem as almas para o Céu onde já se encontra glorificado Jesus, o mesmo que foi crucificado”.

Já José Teles Chaves, presidente da Lousarte refere-se à mostra como "um grande valor cultural com fortes raízes na religiosidade popular, principalmente no tempo quaresmal onde nos encontramos, valor para o qua a associação tem contribuído, no sentido de enriquecer e perpetuar algumas das tradições e manifestações religiosas”.

A mostra, que conta com o apoio da Câmara Municipal e da União de Freguesias de Escalos de Cima e Lousa, vai estar patente no Núcleo Etnográfico da Lousa até dia 8 de abril, podendo ser visitada de terça-feira a sexta-feira das 14H00 às 17H30, e aos sábados e domingos das 14H00 às 18H00.

COMENTÁRIOS