Este site utiliza cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Saiba mais

Penamacor: Feira recua para poder crescer

José Furtado - 27/07/2017 - 18:46

As obras na zona histórica tiraram parte da área à Feira Terras do Lince mas vão melhorar as próximas edições, espera a organização.

O jardim da República e o antigo quartel de Penamacor receberam ao longo de três dias a Feira Terras do Lince, que decorreu durante o fim-de-semana na vila raiana.

Ao terceiro ano de vida do evento, a organização viu-se obrigada a encurtar a área onde esta decorre, devido às obras na zona histórica, mais conhecida como cimo de vila.

“Alterámos o figurino este ano, fruto das obras que temos em curso no acesso ao cimo de vila e da iminência do arranque das obras na zona histórica”, disse António Luís Beites, o presidente da Câmara Municipal de Penamacor, à margem da inauguração da feira.

Um desses acessos é a rua das escadinhas, que fica próximo do antigo quartel.

A Feira Terras do Lince contou este ano com cerca de 50 expositores e segundo o presidente “tivemos de recusar alguns por manifesta falta de espaço, mas não creio que seja por aí que a feira vai perder qualidade, antes pelo contrário”.

Mesmo com o terreiro de Santo António disponível, um local que durante anos recebeu este tipo de organizações, a câmara municipal manteve a opção.

“Este espaço entre o jardim e o quartel é o melhor de Penamacor nesta altura do ano”, justifica o presidente.

A câmara municipal não dispõe de dados do impacto económico das organizações anteriores “mas temos a perfeita noção que há uma acréscimo extraordinário no que é a nossa restauração”.

Na opinião do presidente a feira tem crescido de ano para ano, mesmo com as limitações causadas pelas obras. O orçamento deste ano “é o mais reduzido das últimas três edições”, contrariando o que costuma ser uma prática em ano eleitoral.

Mas para António Luís Beites “não creio que seja por aí que a feira tem menos valor”.

Na edição de 2018 é provável que o cimo de vila se mantenha fora do mapa da feira devido às obras que ainda não arrancaram, mas que vão deixar a zona em melhores condições para este e outros eventos.

“O projeto prevê a criação de espaços propícios para eventos culturais e gastronomia e Penamacor tem de dar um salto para a aposta noutro tipo de eventos de promoção cultural, porque passamos a ter condições ao nível dos melhores”.

Embora não disponha de dados concretos, António Luís Beites nota que o número de visitantes espanhóis está a aumentar, graças em parte também ao Vila Madeiro em dezembro, “e começamos a sentir a vontade de alguns deles em investirem no nosso concelho”.

A intervenção da zona histórica começou com os acessos.

Além da rua das escadinhas, do lado do antigo quartel, estão em obra a rua Nova de São João a partir do fundo da rua de Carros, entre outras.

Para o cimo de vila está prevista a instalação de um centro de interpretação junto à torre de menagem, num investimento de cerca de 400 mil euros.

Segundo o município foi também apresentada outra candidatura para instalar fibra ótica e redes sem fio, permitindo que os turistas tenham acesso à internet de forma gratuita.

COMENTÁRIOS