Este site utiliza cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Saiba mais

Castelo Branco: Empresa produz colchões para as vítimas dos fogos

José Júlio Cruz - 14/07/2017 - 9:19

Laboram há um ano na zona industrial, para todo o país. A tragédia de Pedrógão Grande não lhes foi indiferente.

A Praticalconfort, na Zona Industrial de Castelo Branco

A Praticalconfort está a efetuar uma ação de solidariedade para com as vítimas dos fogos. Esta empresa, com sede na zona industrial de Castelo Branco, produziu recentemente duas dezenas de colchões para serem entregues gratuitamente a famílias que sofreram com os incêndios florestais que assolaram a vizinha região de Pedrógão Grande.

"Colchões de casal e individuais que já estão prontos e irão seguir logo que possível para a autarquia daquele concelho que os fará depois chegar a quem deles necessite", referiram Tiago Sequeira e Carlos Santos, os gerentes da empresa, esta semana ao Reconquista.

Ambos esclarecem que ficaram "muito sensibilizados com a tragédia que se abateu sobre aquela zona do país" e que, por essa razão, decidiram doar parte do seu trabalho "para ajudar a minimizar o sofrimento das famílias... se todos dermos um pouco, a ajuda será certamente suficiente", referem. O valor estimado desta dádiva ascende a mais de dez mil euros.

A Praticalconfort é uma empresa recente, foi criada de raiz por entenderem os sócios que seria um bom investimento nesta área e nesta região. Está a laborar em Castelo Branco desde maio de 2016 num pavilhão da zona industrial, produzindo a marca de colchões Serenya para todo o país. Conta atualmente com uma dezena de colaboradores, que também contribuíram com o seu trabalho para que esta doação fosse possível.

Apesar de jovem, a fábrica tem vindo a crescer. "O balanço deste primeiro ano é positivo e acreditamos que o projeto pode singrar no futuro", destacam os mesmos responsáveis, para quem "o fabrico de colchões de gama média alta com os mais desenvolvidos métodos e materiais do mercado foi uma aposta acertada".

Tiago Sequeira e Carlos Santos aliam todo este trabalho "a uma rede de vendas a nível nacional que nos ajuda a escoar a produção" e revelam que "inclusivamente já tivemos a oportunidade de exportar alguma da produção para Inglaterra". Segundo atestam, "o mercado está a aceitar bem esta nova empresa, consideramos que temos pernas para andar".

Com uma exposição permanente na própria fábrica com todos os produtos à disposição dos clientes, para que os mesmos possam ser analisados e testados, a Praticalconfort efetuou um investimento global, só para iniciar a laboração, superior a um milhão de euros, na medida em que "foram adquiridas máquinas novas e todas as condições inerentes à fabricação", como referem a concluir os mesmos responsáveis.

COMENTÁRIOS

Marcos Martins
Na semana passada
Louvar esta atitude muito escassa no mundo empresarial. Que os colchões sejam entregues directamente aos lesados e não caiam nas mãos de intermediários ou falsos carentes