Este site utiliza cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Saiba mais

Castelo Branco: Obras na Amato Lusitano concluídas em fevereiro

Reconquista - 12/01/2018 - 16:03

A garantia foi deixada pelo diretor do agrupamento durante a visita de Hortense Martins a esta escola da cidade de Castelo Branco.

As obras estão praticamente prontas, garantiu a direção da escola. Foto arquivo Reconquista

 

As obras na Escola Secundária de Amato Lusitano deverão ficar concluídas no próximo mês de fevereiro.

A garantia foi deixada pelo diretor do agrupamento durante a visita de Hortense Martins a esta escola da cidade de Castelo Branco.

Em comunicado a deputada do Partido Socialista eleita por Castelo Branco, que estudou na escola, diz que esta “beneficiou de um importante investimento para requalificação da mesma” e que em breve “a comunidade educativa poderá usufruir destas melhorias”, que incluem um novo anfiteatro.

Hortense Martins foi informada pelo diretor João Belém “que espera que as obras estejam prontas no próximo mês de fevereiro”.

Apesar de a escola ter sido inaugurada antes do 25 de Abril “tem mantido condições, quer de manutenção quer de ambiente, que também são de relevar. A escola está a ser bem tratada e isso também tem, naturalmente a ver com a política da direção e também do bom uso da comunidade educativa”, comenta a deputada.

A visita às obras da escola foi solicitada no âmbito da sua participação em mais uma sessão do Parlamento dos Jovens, que decorreu na segunda-feira na Escola João Roiz, que pertence ao Agrupamento de Escolas Amato Lusitano.

A igualdade de género foi o tema escolhido para esta sessão.

A requalificação da Amato Lusitano faz parte de um acordo assinado em 2016 entre a Câmara Municipal de Castelo Branco e o Ministério da Educação, que permitiu também a recuperação da Escola Secundária Nuno Álvares, também na cidade.

Tal como o Reconquista noticiou na altura o investimento global ronda os quatro milhões de euros, repartidos pelo município, o ministério e os fundos comunitários.

COMENTÁRIOS